sábado, 26 de setembro de 2009

Censuraram a velhinha das Havaianas

Vocês chegaram a ver o novo VT das Havaianas? Aposto que muita gente nem chegou a assisti-lo antes que ele fosse tirado do ar.

De acordo com a zerohora.com, o novo filme criado pela agência AlmapBBDO - em que a avó sugere à neta que se aproxime do maravilhoso ator Cauã Reymond apenas para sexo - foi alvo de inúmeras reclamações por parte de telespectadores e sofreu abertura de processo no Conar - Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, sob o argumento de que seu conteúdo é ofensivo e impróprio para o público.

Francamente, a que público o Conar se refere? Ao mesmo que assiste às novelas da Globo, em horário nobre e rede nacional? Por acaso estamos falando de uma programação de telenovelas demagogas que são vendidas atualmente para mais de 30 países? Nos referimos, neste caso, a um público massivo, que assimila quase que instantaneamente o significado de "indústria cultural" quando começa a consumir desesperadamente os brincos da Maya e a pintar os olhos como a Jade?
Se tu me pedisse para resumir a principal idéia deste VT, mais do que a naturalidade do texto e a modernidade com que a cena é conduzida, eu diria que é passar a idéia de que é possível manter um diálogo saudável entre uma simpática senhora de 84 anos e uma jovem adulta, ou mais, entre pessoas da mesma família, no caso de serem avó e neta. Achei interessante ver na prática mais um exemplo de abordagem do assunto SEXO sem ser um tabu.

Que puritanismo é esse? Com pancadões insuflados em todas as festas e a banalização do sexo e das relações humanas em todos os sentidos. O que é isso, companheiro, de onde vem tanta hipocrisia? Se é para ser reacionário, então censurem e processem as ridículas "mulheres-fruta", por favor!

Detalhe: minutos antes do remake do vídeo das Havaianas ter ido ao ar, a nova novela do horário nobre da Globo exibiu a cena em que a filha do personagem principal transava com o namorado. Alguém me explica que palhaçada é essa?

ANTES



DEPOIS

3 comentários:

Vane Gomes disse...

Essa é a palavra Paulinha: Palhaçada!
Não existe outra explicação.
Fiquei chocada com a censura deste comercial, pois foi um dos melhores que eu já vi nos últimos tempos: desmistificando essa história de que não se fala sobre sexo com pai, mãe, avó, tia ou similares. Jesus me abraça forte!
Enquanto o brasileiro não deixar de ser hipócrita o que nos resta é esta semiperturbação da moral inexistente... Fiquei pasma!

Ocappuccino disse...

Se fosse um merchan e a atriz que fosse transar estivesse usando havainas acredito qeu não acontecria nada, pois seria diliudo natural dentro da novela, mas como é um comercial as pessoas cessam a percepção de novela (que supostamente retrata o mundo real) e já se preparam e criam diversos juizos de valor frente à marca e às atitudes da marca. Muito é referente ao neuronio espelho, o que se ve, se copia, ou seja, em novelas já está mais do que legitimo cenas de sexo e inovadoras como beijo de lésbicas, mas experimenta colocar um comercial em horario nobre de duas garotas se beijando. Na novela é 'licença poética', no comercial é 'atentando à sociedade'. E um estigma e ainda naõ sabemos lidar com isso.

Em tempo, também considerei errado tirar a propaganda, claro que foi uma atitude da agencia e da marca para nao causar uma má impressão do produto.

Mateus

Mel Danda disse...

uhauhauahauhauhuahuha - viu como eu sou moderninha?!?!?! Vou usar Havaianas e essa expressão, até o fim da minha vida!
Sexo é uma coisa tão boa, mas tão boa, que deviamos falar nisso o tempo todo!!! Achei o máximo o comercial, tirei o chapeu para o retorno da Almap - super certo... E a internet veio para isso mesmo: democrático, né?!? Vale um post só para falar da tal democracia na web...
Não sabia que o comercial tinha saido do ar por causa disso.. Santa paciência!