Carregando...

sábado, 8 de junho de 2013

O virtual morreu

Sinto informar, mas foi-se o tempo em que as situações tinham a distinção entre o real e o virtual.
O virtual morreu.
Somos os mesmos em todas as telas. Mesmo que façamos a distinção de qual parte de nós publicaremos em cada tela. Somos reais enquanto teclamos no bate-papo do Facebook. Somos reais quando desejamos feliz aniversário para as pessoas, mesmo que por escrito... Somos reais quando saímos para tomar um chopp com os amigos, ou simplesmente fazemos uma reunião via skype.
Nossa realidade está diferente, caros amigos, isso sim.
Há muito já ouvi Martha Gabriel falando sobre os imigrantes e os nativos.. só não lembro se ela citava algum autor.
Imigrante sou eu, que vi uma máquina de escrever, que conheci carbono para fazer cópia de documento. Imigrante conheceu ficha telefônica, fichinha de ônibus para pagar a passagem, telefone com gancho.
Nativos são todos aqueles que nasceram na era digital, sabendo o que fazer ao tocar numa tela touch, que não se surpreendem em comprar um produto num e-commerce que venha da china, de container, atravessando oceanos. Imigrante é alguém que joga um video game interagindo com a tela sem fio algum, numa boa. É alguém que é impaciente com o tempo que o satélite demora para dar uma resposta no celular que vem láááááá de fora da Terra.
O que dividimos entre real e virtual, faz parte da construção de uma nova realidade.
Tudo faz parte de nós. De quem nós somos.
A foto de festa, carinha de bebum vai ser visto pelo chefe... não tem jeito. E tem mais, colocou na rede, não tem mais volta. Fica lá pra sempre. Vai dizer que é virtual? Pode ser determinante para o futuro.
Somos seres sociais, senhoras e senhores.
E as redes sociais, mostram muito mais de nós do que podemos imaginar.
As marcas, as empresas já não são mais distintas: reais e virtuais. As empresas são mistas... por mais que a operação seja real, toda a construção de marca já está nas redes sociais.
Querido empresário, dividir redes sociais das estratégias de comunicação é um prato cheio para consumidores críticos. E somos cada vez mais críticos. Por mais que nossas compras sejam virtuais, comentamos com nossos amigos sobre essas experiencias em todos os meios.
Sua marca, a experiência de compra de seu negócio não tem mais volta, ela é total. Global.
Virtual e real ao mesmo tempo. Ganha a empresa que souber transitar por esses meios com maior agilidade.
O mesmo se aplica para as agências de propaganda e agências digitais. Não dá para ter estratégias diferentes, de forma separada. As linguagens sim são diferentes, mas as campanhas tem que ser multimídia.
Multiplataforma.
Como publicitários, acredito que temos que saber nos comunicar num tweet com apenas 140 caracteres e num livro comemorativo de 100 anos da empresa. Mesmo que tenhamos que nos cercar de especialistas para concretiza-los.
O pensamento amplo, multi-telas, com atenção para os detalhes faz com que as empresas tenham uma presença única, coesa, coerente. Atitude coerente é o que queremos. Quando falamos na era da transparência, na verdade, estamos atrás de pessoas, marcas, empresas, serviços que sejam e digam a mesma coisa.
Chega do Marketing virtual.... queremos um marketing real, com estratégias físicas, outdoor e indoor, e digitais, e em todas as telas com a mesma mensagem. Chega de separações e distinções que só fazem contribuir para uma atmosfera de incoerência dos discursos.
Muitos profissionais são contratados por seus currículos e a grande maioria é demitida por questões comportamentais.. Isso sim é virtual. A profissional que eu sou não está no meu currículo. Ali só estão minhas competências técnicas. O que todos podem aprender. É virtual... recrutadores leem meu currículo e imaginam como eu seria contratada para uma determinada vaga, mas, ainda assim, precisam me entrevistar, me submeter a dinâmicas de grupos, provas de nivelamento, etc.
Com as marcas funciona da mesma forma, temos vários pontos de contato. E muitas vezes parece que isso não é bom. Mas só não será bom, se não formos coesos. Verdadeiramente coerentes.

Acredito que estamos deixando passar a era da transparência para entrar na era do relacionamento.
E relacionamento, caros leitores, transpõem todas as barreiras.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

#euconfesso


Oi, gente!

#euconfesso que sumi daqui por muuuuito tempo...
#euconfesso que me ocupei de outras coisas (algumas chatas, outras bacanas) no meu dia-a-dia e não postei mais nada. Jamais por falta de interesse! É que o apartamento novo está roubando toda a minha atenção.
#euconfesso que me deu uma baita vontade de voltar para cá depois de ver o resultado da campanha do BackBuzz, da Ativa Multicanal, pelas ruas de Porto Alegre.

O plano de ação é assinado por Maikel Rosa, chamado para destacar o principal produto da Ativa: o busdoor. O resultado foi o novo BackBuzz, que veio para provar aos anunciantes e público em geral que um canal de comunicação móvel pode impactar e gerar grande repercussão. Os cartazes de #euconfesso deixaram-me com a pulga atrás da orelha. Coloridos e sem assinatura, intrigaram-me ainda mais. Hummmm, pensei, o que pode estar acontecendo aqui?

     
Em seu blog, Maikel conta que a intenção foi de atingir, além da população, também os anunciantes, desmistificando a concepção de que a mídia de traseira de ônibus está vinculada ao público usuário deste transporte. Gente, não!!! Por favor, de onde é que tiraram esta ideia? Pensem comigo: o busdoor localiza-se do lado externo dos coletivos. Os usuários de coletivos andam dentro dos coletivos, e não fora deles. Logo, tcharam, os maiores atingidos certamente não serão os usuários, e sim todos os motoristas e demais habitantes que veem os ônibus por trás, já que grande parte das linhas de Porto Alegre não circulam pelos corredores. Sempre defendi o uso desta mídia, pois acredito que ela pode ser bem pensada e pulverizada nas regiões da cidade que queiramos atingir, enquanto anunciantes. A Ativa lança esta releitura de sua mídia em trânsito justificando com a grande ocorrência de coletivos trafegando em vias arteriais e passando por grande concentração de pessoas, como hospitais, shoppings, faculdades, pontos turísticos e outros. Funciona sim!

Pois bem, Maikel revela que os teasers veiculados no próprio produto agitaram as redes sociais. A hashtag #euconfesso foi dissipada em diversos BackBuzz com confissões curiosas, e o pessoal começou a fazer a mesma coisa pelo Twitter. Cada mensagem postada era direcionada a um hotsite, que depois foi revelado como local na web onde as pessoas poderiam conferir as confissões umas das outras em tempo real. O site euconfesso.eu teve centenas de visitas e uma missão cumprida: mostrar o quanto uma traseira de ônibus pode dar o que falar. E a Ativa Multicanal coloca-se, mais uma vez, à frente. Se tu olhares no site da empresa, encontrarás o lançamento do que estão chamando de “a mídia Premium de Porto Alegre”.

#euconfesso: realmente não imaginava que esse buzz fosse por causa deste produto. Show de bola!

Vale a pena darem uma conferida, senhores anunciantes. Boas vendas!

Abraço! \o/











quarta-feira, 18 de julho de 2012

As gerações e os espaços de trabalho


Confira a a relação dos Baby Boomers, Geração X e Millennials com o espaço de trabalho. É incrível perceber a evolução das gerações e como a relação do profissional com o espaço de trabalho está associada à qualidade de vida, lazer, satisfação pessoal e coletiva e a colaboração.

Agora fica comprovado o sucesso de espaços de trabalho colaborativos como o Nós Coworking e de iniciativas como o TransvençãoLab, ambos de Porto Alegre.

Veja também o vídeo All Work and All Play é incrível.

Deixe sua opinião e vamos iniciar um debate bacana sobre esse movimento.